Notícias

Conselho de Saúde aprova verba para novo prédio do Haoc

  • Publicação: 02/03/2016 17:26h
  • Redator(es): Deuzeni Ceppolini
  • Release N.º: 212

Foto

Foto: Deuzeni Ceppolini - SCS/PMI

Os integrantes do Conselho Municipal de Saúde, vinculado à Secretaria Municipal de Saúde, aprovaram na quarta-feira, dia 2, repasse de R$ 5 milhões para o Haoc (Hospital Augusto de Oliveira Camargo). O objetivo é o término da construção do novo prédio do hospital, que vai atender os pacientes SUS. A reunião extraordinária ocorreu no auditório do Paço Municipal. O repasse foi aprovado por unanimidade pelos conselheiros de saúde, após a apresentação realizada pelo responsável pela execução da obra do novo prédio do Haoc, Wilson Silva Júnior. Os recursos são próprios e provenientes do Fundo Municipal de Saúde.

Após a apresentação representantes do Haoc e da equipe de gestão da Secretaria de Saúde, responderam os questionamentos feitos pelos conselheiros de saúde. O novo hospital terá 7.400 metros quadrados de construção, com cinco pavimentos, com 116 apartamentos e 224 leitos. Com a inauguração do novo prédio, Indaiatuba passará a contar com 170 novos leitos SUS.

O diretor do Haoc, Ronaldo Garcia, explicou que inicialmente a maternidade iria para o novo prédio. “Temos que respeitar a questão da arquitetura do Hospital, pois o prédio é tombado. Fizemos o Centro Obstétrico na parte antiga do Hospital, então iremos reformar a área atual da maternidade e outras alas também terão transformação”.

Indagado pelos conselheiros, sobre a interligação dos prédios, Ronaldo destacou que também serão instalados elevadores e rampa de acesso, interligando o novo prédio ao Pronto Socorro, que fica ao lado.

O dentista e membro da equipe de gestão da Secretaria de Saúde, Eric Garcia explicou que repasse da verba será realizado conforme a apresentação dos custos e com prestação de contas para o Tribunal de Contas e Conselho Municipal de Saúde. “Deverá seguir o mesmo modelo de repasse feito para a construção do Pronto Socorro Municipal”.

O presidente do CMS, Luiz Medeiros, que também é membro dos Conselhos Estadual e Nacional Saúde, destacou que atua em outras frentes e que Indaiatuba “foge da compreensão no quesito gestão”. “Enquanto projetos importantes do Estado de São Paulo, estão parados por falta de verba e o SUS corre o risco de perder cerca R$ 10 bilhões ainda em 2016. Indaiatuba continua realizando suas obras na área de saúde e com os serviços funcionando. O conselho não é pra fazer oposição, é para dar a sua contribuição, para fazer valer o que diz a constituição Federal: A saúde é direito de todos e dever do Estado”.

Após a aprovação do CMS, o Executivo enviará o projeto de lei para a votação na Câmara do Vereadores.

HAOC

O custo total estimado do projeto ficará em torno de R$ 20 milhões. Para viabilizar toda a construção, a Fundação, que é mantenedora do Haoc, conta com parceria da Prefeitura de Indaiatuba e também com empresas da iniciativa privada, através de contribuição filantrópica.

O prédio em construção faz parte das diversas iniciativas de aprimoramento e ampliação que o Haoc passa desde o final da década de 1990. Naquela época a área física do hospital era de nove mil metros quadrados e passou para os atuais 18 mil metros quadrados.

De acordo com a diretoria do Hospital, além de manter as características arquitetônicas da fachada do prédio, assim como em diversos outros setores originais da época da construção, o Haoc mantém o espírito filantrópico do casal Augusto de Oliveira Camargo e Leonor de Barros Camargo, que fizeram para Indaiatuba um hospital para atender principalmente a população carente. O novo prédio abrigará leitos para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), planos de saúde e particulares.

A capacidade total de internação do HAOC atualmente é de 180 leitos divididos nas Unidades de Terapia Intensiva adulto e neonatal, maternidade, enfermarias masculina, feminina, infantil e apartamentos.


Notícias relacionadas