Notícias

Comunidade Farol passa oferecer acolhimento para mulheres em situação de rua

  • Publicação: 14/05/2019 14:47h
  • Redator(es): Renata Lippi A. Lemuchi
  • Release N.º: 342

Foto

Foto: Eliandro Figueira – RIC/PMI

Através de um Chamamento Público a Prefeitura de Indaiatuba, por meio da Secretaria de assistência Social, ampliou a parceria com a Comunidade Farol. A Instituição já oferece o serviço de acolhimento institucional para homens em situação de rua e nesta semana inicia o atendimento para mulheres de 18 a 59 anos, acompanhadas ou não de filhos até 17 anos e 11 meses.

Na semana passada o fundador Elton Oliveira recebeu o prefeito Nilson Gaspar e demais autoridades para apresentar a nova casa, que começa com o acolhimento de 13 mulheres e tem capacidade para 18 atendimentos.

“Sabemos que há pessoas em situação de rua em nossa cidade. A Prefeitura através do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) faz abordagens e oferece ajuda às pessoas que desejam reconstruir sua vida. Sempre digo que não fazemos nada sozinho e a parceria com a Comunidade Farol já nos ajuda no trabalho de ressocialização masculino, e agora ampliaremos o serviço para o atendimento feminino, que ainda não oferecíamos no município”, ressalta Gaspar.

“O abrigo feminino era um sonho antigo, que só se tornou realidade através da ampliação da parceria com a Prefeitura. Nossa missão, com a ajuda do poder público, é promover a inclusão sócio-econômica de mulheres em situação de risco social e pessoal, expostos a condição de rua, para que elas construam novos projetos de vida”, finaliza Elton Oliveira.

Creas

O Creas (centro de referência especializado de assistência social), é o departamento da Prefeitura responsável pela abordagem e acolhimento das pessoas em situação de rua, que tem como objetivo resgatar e ressocializar quem deseja reconstruir sua vida.

Campanha não de esmola: ação permanente e constante com distribuição de panfletos e cartazes alusivos à campanha que visa conscientizar a sociedade que o ato de dar esmolas embora pareça nobre prejudica muito o processo de ressocialização dessas pessoas em vulnerabilidade social.

Contato: 0800 772 772 1 – de segunda a sexta, das 8h às 17h, fora destes dias e horários, ligar no 153.


Fotos


Notícias relacionadas